quarta-feira, 4 de julho de 2018

TERAPÊUTICA nos casos de problemas na MENOPAUSA - resumo


Estou dando um curso online gratuito sobre Neo-hipocratismo ou Naturopatia com uma pegada bem forte de práticas integrativas. Na primeira fase do curso (11 aulas) tratei aspectos básicos e imprescindíveis para a compreensão das práticas integrativas em geral e da Naturopatia em particular. Já a segunda fase versa sobre determinadas enfermidades e seus tratamentos respeitando o fato de que não podemos receitar sem examinar a pessoa.

Menopausa foi o tema das aulas 4 e 5 da segunda fase. Assunto que toca aspectos físicos, sociais, emocionais, sistema de crenças etc. e que deve chamar a nossa atenção independente de sexo ou idade. Por ser muito extenso e para contribuir a uma abordagem mais ampla, apresento o texto que se segue com um resumo da terapêutica a ser aplicada naqueles casos em que se faça necessária.

Como registrei nas aulas insisto que o corpo da mulher faz uma longa preparação para este momento tão especial. Os ovários reduzem lentamente (mas não cessam completamente) a produção de estrógenos, já que a função reprodutiva da mulher já não é mais indicada devido à idade e as alterações psico-morfológicas que ocorrem neste momento. Muitos dos ditos “sintomas da menopausa” são derivados apenas ao fato de que a mulher não é mais tão jovem (e ocorrem também nos homens). Sendo assim, a menopausa nunca deve ser vista como uma doença e sim como um momento de culminância das mudanças que a vida traz e para o qual o organismo se prepara. Esta preparação é prejudicada por variados fatores (fumo, stress, ansiedade, hábitos nutricionais, sedentarismo, autoestima baixa...) e cabe a nós cuidar para minimizar tais efeitos indesejáveis. Muito do que se diz que é característica da menopausa não o é. Trata-se dos distúrbios derivados de hábitos e crenças que impedem ou dificultam funcionamento adequado do ser.

Não me demorarei mais nisso, uma vez que já foi explicitado no curso no YouTube e porque este texto é para dedicar-se aos casos em que há real necessidade de intervenção terapêutica.
Neste blog já fiz algumas postagens que tratam deste assunto, eis os links:
Leia-os para complementar o que explico nas aulas. Abaixo um pouco da terapêutica:

HIDROTERAPIA E GEOTERAPIA:
Os fogachos (ondas de calor) têm excelente resposta com a frotação (baixe gratuitamente o Manual de Procedimentos digitando – bit.ly/manualdeprocedimentosnaturistas – e veja ali como se faz esse e os demais procedimentos a seguir) pela manhã ao despertar.
Os banhos de assento frios, por 10 minutos a meia hora, são calmantes e propiciam um bom sono.
A faixa úmida abdominal gelada, por meia hora a uma hora, é maravilhosa para o aparelho digestivo como um todo, pode ser aplicada durante uma refeição quando ocorrem sintomas digestivos de qualquer ordem. Contribui para melhorar a permeabilidade intestinal, e para uma microbiota mais saudável. Dessa maneira o fígado pode ajudar ao organismo da mulher neste período de mudanças.
O banho genital, por 10 minutos a meia hora, com água gelada, é mais específico, ampliando a circulação na genitália interna e externa, nutrindo-a e purificando-a. Seus efeitos são impressionantes. Faça e fique entusiasmada com este procedimento. Pode ser feita ao deitar-se e ter relações sexuais depois deste banho é bastante recomendado, caso tenha vontade (e algumas mulheres referem aumento da libido).
A cataplasma de argila (barro) ao ventre é um regenerador dos órgãos internos, além de contribuir para a redução das temperaturas internas favorecendo a ação das enzimas – substâncias que fomentam as reações metabólicas – e o desenvolvimento de uma microbiota saudável. Dá um pouco de trabalho de início, mas quando a pessoa pega o jeito, é simples e os efeitos são maravilhosos.
Não deixem de ler no Manual de Procedimentos a parte inicial aonde explico os cuidados que devemos ter para que os mesmos funcionem adequadamente. Para mim a hidroterapia e a geoterapia são a melhor terapêutica que existe. Veja as aulas da fase 1 sobre o tema (https://youtu.be/3xIZvZAGCJ0 e https://youtu.be/_ZPj4hpFPGI).

FITOTERAPIA
A fitoterapia deve ser prescrita por alguém que conheça. Devemos fugir da ideia de que a fitoterapia é completamente inócua e que podemos usar em grande quantidade, pois mal não faz. A dose deve ser respeitada. Veja a aula de fitoterapia na primeira fase do curso (https://youtu.be/BP4OkGTxsp8).

Em seguida a lista de algumas plantas usadas quando a menopausa vem acompanhada de problemas. Temo que não seja correto explicitar aqui as dosagens dos fitoterápicos por razões éticas, porém me disponho a passar estas doses para os profissionais de saúde que me procurarem.
Certas plantas contêm substâncias chamadas de fito hormônios e bioflavonóides. Elas são parecidas com os hormônios (ou têm efeito similar) e por isso ocupam receptores celulares na membrana das células. Quando uma mulher (ou um homem) tem excesso de um hormônio, estas substâncias competem pelos receptores e assim os hormônios não conseguem atuar tão intensamente, pois o fitohormônio é menos ativo. Já nos casos em que há falta de hormônios os fitohormônios estimulam os receptores fazendo a célula funcionar.
Igualmente, as plantas podem conter substâncias que contribuem com a mulher nesta fase minimizando alguns sintomas e sinais que possam acontecer, aliviando-os (depressão, dores, osteoporose etc.). Vejamos:

# Esta combinação é fácil de fazer em casa: 40g de folhas secas de amora, com 200g de sementes de linhaça moída (informo a quantidade porque é algo nutricional). 1 a 2 colheres de sopa por dia. A combinação dos fitohormônios e bioflavonóides aqui é excelente.
# Outra combinação fácil é soja, linhaça e gergelim em partes iguais. Tosta e pulveriza. 1 a 2 colheres de sopa por dia. O uso destas combinações é o de alimentos nutracêuticos.
# Cimicífuga racemosa (Black Cohosh), extrato seco padronizado a 8%.
# Maca (Lepidium peruvianum), encontrado em extratos nas farmácias.
As indicações acima podem ser combinadas com Extrato padronizado de diosgenina, em óvulos vaginais a serem usadas quando há ressecamento vaginal.
# O gel transdérmico de Yam mexicano, para passar no tórax, braços, peitos, abdômen, coxas alternando cada uma dessas partes, pode ser um complemento excelente.

Nos casos em que há necessidade de intervenção na área psíquica podemos pensar em:
CamomilaMatricaria recutita – calmante. Folhas e flores em infusões.
Erva-de-são-joãoHypericum perforatum – Bem eficiente nos casos de depressão. Só pode ser comprada com receita médica.
MelissaMelissa officinalis – Também conhecida como erva-cidreira, o chá é calmante leve.
Passiflora, Passiflora incarnata – Encontramos em várias medicações fitoterápicas. Mas podemos fazer o chá da folha, é calmante e ajuda nos casos de insônia. E pode ser combinado com folha de mangueira e de laranjeira.
ValerianaValeriana officinalis – relaxante, ansiolítica, ótima para dormir. É melhor usar como medicação fitoterápica.
#Havendo osteoporose: lembrar que atividade física é essencial! Nem pense em usar plantas ou alimentação sem atividade física. Lembrar também que a vitamina D permite a absorção intestinal de cálcio e seu uso pelo osso.
Suco de couve, limão e melaço - ponha no liquidificador 2 ou 3 folhas de couve com 1 ou 2 colheres de sopa de melaço e 1 copo de água. Côa e depois acrescenta suco de 1 limão.
Pasta de gergelim – uso nos alimentos, é riquíssima em cálcio (não coma em todas as refeições, pois o excesso de cálcio inibe a absorção de ferro).

OBS: Helioterapia – ou seja uso do sol. Banhos controlados quanto ao tempo entre as 10 e as 15 horas. Começar com pouco sol e ir aumentando aos poucos. Não pode despelar! Veja a aula da fase 1 : https://youtu.be/3xIZvZAGCJ0.

ALIMENTAÇÃO
É indiscutivelmente o principal. Preferencialmente deve começar a ser praticada muito antes da menopausa. Aqui não me deterei no tema, porque tenho tratado dela na primeira fase do curso Medicina da Vida (). Numerosos estudos mostram que populações que consomem fitohormônios e bioflavonóides (linhaça, soja, por exemplo) regularmente têm menos fogachos, menos depressão, menos osteoporose.
As verduras cruas são maravilhosas, pois além das substâncias citadas que podem conter, nos oferecem vitaminas e minerais em profusão cujo efeito é uma melhor preparação orgânica para a menopausa (em particular) e para a velhice em geral. Lembre-se que o melhor cálcio é aquele absorvido até os 12 anos. Mas isso não quer dizer que quem nadou em refrigerantes até esta idade está condenado. Sempre há tempo de recuperar-se, mesmo que não completamente. Certas folhas pouco valorizadas são maravilhosas, a beldroega, por exemplo contém grande quantidade de ômega 3, tão necessário e pouco presente na alimentação atual.
Cereais integrais e leguminosas (feijões), ovo, iogurte e coalhada, também devem fazer parte de nossas refeições.

O texto ficou grande e incompleto (claro), mas espero que te incentive a estudar o tema.
Beijos de Aureo Augusto.

5 comentários:

  1. Aula maravilhosa!! Obrigada Doutor!

    ResponderExcluir
  2. Olá admiro muito seu trabalho! Como é a soja que devo torrar e usar com o gergelim e linhaça?

    ResponderExcluir
  3. Tenho um pé de amora em casa, posso usar as folhas dele com a linhaça nas mesmas proporções citadas? Ou tem que ser Folha seca? Se sim como faço pra seca las. Se não puder compro as usadas para o chá vendidas em casas de produtos naturais? Existe um tipo específico de amora ou qq uma serve?

    ResponderExcluir